tantos nadas

Um ano longe, tantos e nadas de acontecimento se mesclando, se fundindo, se formando …..

Tantos sonhos, tantas vidas criadas dentro de mim. Tantos desejos, tantas vontades, tantos receios…. tantos segredos

Nada compartilhado, quase nada vivido

Por preguiça, por medo
São tantos e nadas se convergindo se confundindo

faz escorrer o tempo tão depressa que não abarca os tantos, retendo muitos nadas

Anúncios

Sob o céu de Havana

habana

A lua prateada entra pela fresta de um teatro e ilumina os sonhos que nele foram depositados. Vem e faz companhia a uma guitarra solitária, em todas partes para onde quer que se vá, ela varre o pó da solidão.

Uma outra “face” de Cuba que a grande mídia não mostra é retratada em Habana Blues. Uma História permeada de sentimentos e conflitos, conduzidos pela música, com um olhar sem partidarismos que mostra a veia pulsante de um país, que assim como outros tantos da América Latina, vai fluindo apesar dos pesares. Com seus prédios, seus carros antigos, sua encosta. Mostra a escolha, muitas vezes difícil que temos de fazer na busca por um sonho, o preço a pagar pelo mesmo, as dificuldades de viver numa pátria querida e ao mesmo tempo esquecida da forças para essa gente lutar pela própria sobrevivência ou sair de Cuba, com o objetivo de buscar uma outra realidade que muitas vezes lhes é negada.

Para começar a história: Ruy (Alberto Joel García Osório) e Tito (Roberto Sanmartín) são dois amigos que lutam para fazer música na cidade de Havana, Cuba, juntamente com outros amigos. Eles acabam de gravar o seu primeiro CD por conta própria e preparam um concerto para celebrar o seu trabalho em um antigo teatro abandonado e ameaçado de fechar. Enquanto correm atrás de divulgação do seu trabalho, conhecem dois produtores espanhóis, Marta (Marta Calvó) e Lorenzo (Roger Pera), a quem acabam apresentando a cidade e outros artistas. Um vôo por uma cena musical que vai além das salsas, caribenhas, mas que as unem ao rock, blues, a cena alternativa da ilha. A esperança de tornar real o desejo é oferecido pelos produtores, e que vai acabar por dividir os dois amigos na escolha a fazer.

O filme aborda as dificuldades das pessoas que vivem no país, como é o caso de Caridad, mulher de Ruy. Que tem que negociar a compra da carne do almoço, partilhar o mesmo telefone e ainda se virar com a venda de bijuterias, a qual, mal dá para sustentar a casa. Ela recebe uma pequena ajuda do envio de dinheiro de sua mãe que mora nos Estados Unidos. A saída para dar uma vida melhor aos filhos faz Caridad tentar a sorte junto a sua mãe. 

Enfim, ele traz as relações  de pessoas que buscam melhores condições de existência. Se por um lado há pessoas como Ruy, Tito e todos os demais músicos, que vivem para cantar as suas músicas e buscam serem reconhecidos, há outros que lutam simplesmente por uma vida melhor.  Esse caminho oferta duas escolhas: ser feito por contatos ou ilegalmente através de barcos.

Qual o preço a se pagar por sonho?

A possibilidade de um contrato internacional colocará em conflito uma questão comum a muitos: atender às cláusulas firmadas com uma companhia americana, dentre elas  promover um discurso contra seu país vendendo, assim, a independência da sua arte.
Esse dilema colocará em cheque o tipo de arte que eles pretendem seguir, a comercial (fornecida pelos produtores) ou a marginal, daqueles que não se submetem ao julgo do mercado e da sua maneira seguem fiel a sua essência. 

Enquanto que para Tito, cujo sonho mor de sua vida é ficar reconhecido, não importando ter que passar por cima de seu cerne, Ruy que também quer expandir sua música, contesta o contrato.  e acaba por recusar a proposta, não transformando sua música num produto de consumo.

Um novo prisma que foge do estereótipo de “Cuba suja” ou de “Cuba limpa”, defendida por diferentes correntes ideológicas. É um filme sobre sonhos, lutas, relacionamentos, dilemas, temperados com diversas claves de sol. Uma história que, guardada algumas expressividades do país, poderia ser contada tendo como pano-de-fundo qualquer parte dos países latinos americanos, daqueles que não são tidos como “desenvolvidos”.

Cuba é vida que pulsa! É a resistência de uma cultura, são as lágrimas por viver fora da mesma, a pátria que se leva dentro mesmo estando longe. Em qualquer parte, Habana Blues é uma declaração singela a uma ilha que muitos costumam caracterizá-la e pintá-la quase sempre com as mesmas cores. Não percebendo seu dueto. Ela é triste e alegre, é o paradoxo de uma vida múltipla, diversa.  Ainda que com muitos desafios e limitações, como em tantos outros países, em tantas outras ruas.