A esperança que sorri

By Fabiana Reinholz
-Vês?
-o que?
– olha, olha bem, vês?
-Não consigo ver nada, do que estas falando?
– Ora, tenta, é pequena, mas está tão perto.
– Mas tentar ver o que? Não há nada…
-Ficastes cego?
– Não, deve ser tu  que tenhas ficado louco, vendo coisa no vazio.
-Mas não há vazio, muito menos loucura; mas sua cegueira.
-Como assim minha cegueira, se não é loucura, deve ser sua mente lhe pregando uma peça.
– Não, já disse que não é nada disso, tome pegue essa luneta. Agora vês?
-Não consigo ver nada.
-Tente os óculos. E agora?
-Ainda nada.
-Desisto.
-Espere,
-o que?
-(comprimindo os olhos, limpando a retina) Acho que vejo um tanto quanto embaçado.
-Continue, um pouco mais de esforço
-Agora sim, vejo. Tão pequena, tão frágil, tão perto/distante a sorrir.

Anúncios

Um pensamento sobre “A esperança que sorri

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s