Montanha russa de lembranças

Enquanto espero a chuva passar, lembro de tudo que está distante
E nessas reminiscências sua lembrança é a que mais me acalanta e entristece
De um tempo em que o mundo parava para nos ver passar
A multidão que esbarrava não se fazia sentir
Nossa roda gigante de sonhos onde nossas almas peregrinas brincavam
E almejavam as nuvens que puerilmente acreditávamos ser de algodão doce
Mas as engrenagens que moviam nossos corações do alto da roda
Despencou-se rapidamente ao chão
Nosso carrossel animado consumiu-se e disparou em retirada

Nem cheiros, nem músicas, nada de nós ficou,

Fabiana Reinholz

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s